Estudo da FGV subdimensiona tamanho do mercado do jogo no Brasil

mercado dos jogos

Não é de hoje que o mercado do jogo no Brasil tem problemas. Com exceção dos jogos lotéricos, os demais se encontram proibidos e em constante discusão sobre uma possível regulamentação que levaria a legalização dos mesmos em território nacional. Caso isso venha ocorrer, o país se tornará um ambiente livre comercialmente para a prática do jogo do bicho, criação de cassinos, bingos, dentre outras modalidades.

A última polêmica em torno do mercado do jogo no Brasil foi a apresentação de um relatório apresentado por uma pesquisa pela Fundação Getúlio Vargas, a FGV, que fora contratada pela Caixa Econômica Federal para o desenvolvimento do estudo. Os documentos apresentavam um montante considerável de dinheiro que poderia estar vinculado aos jogos em caso de legalização.

O montante do resultado da pesquisa assustou os demais participantes da Audiência Pública da Comissão Especial do Marco Regulatório dos Jogos no Brasil da Câmara dos Deputados. Apresentado por Fábio Ferreira Cleto, vice-presidente de Fundos de Governo e Loterias da Caixa Econômica Federal, os valores subdimensionados também receberam comentários sobre sua precisão de resultados pelo próprio Fábio Cleto, que disse que “Estes números são extremamente conservadores eu só o estou citando porque acredito que teve uma metodologia de análise com um critério bem definido ”.

 

jogos-de-azarO caminho da legalização do mercado do jogo no Brasil

O principal motivo que leva a constante discussão da existência de um mercado do jogo no Brasil é a arrecadação e o fluxo econômico proveniente do mesmo. Principalmente em tempos de crise, esse tipo de modalidade poderia prover diversos benefícios para a economia fragilizada do país. Ademais, vale ressaltar que o interesse não é apenas público, mas também privado, que vê a regulamentação como uma maneira de expandir negócios e aumentar os lucros.

Polêmica da Mega-Sena

A reunião também levantou questionamentos polêmicos como uma possível fraude na Mega-Sena, onde já fora admitido erro na área de tecnologia na divulgação do resultado. A polêmica, que se estendeu com outros discursões sobre convênios, parcerias e até o aumento do payout das loterias, chegou a indagação do interesse da Caixa sobre a legalização do mercado do jogo do Brasil.

A respeito do último parágrafo, Fábio Cleto concluí que “A Caixa não tem que ter opinião nenhuma com relação a isso (marco regulatório), mas está totalmente aberta a contribuir para esta discussão do ponto de vista de informação e tudo mais”. Ou seja, a Caixa não tem obrigações ou interesses indiretos na legalização, mas por fazer parte do meio é extremamente natural que a empresa queira participar da discussão.

O brasileiro já é um jogador e o Brasil necessita de novos fundos, portanto, existe um interesse mutuo a respeito dos jogos de azar no país. Porém, as polêmicas em torno a regulamentação e consequentemente legalização do mercado do jogo do Brasil não parecem ter um fim próximo, pois na última reunião dos parlamentares o projeto de Lei que legaliza os jogos, a PLS 186/2014, foi adiado devido ao pedido de vista senador Benedito de Lira (PP-AL).

 

 

Neimar Mariano de Arruda é Lotérico e Fundador da DouraSoft,
Administrador de Empresas, Consultor em Gestão Empresarial e
Especialista em Governança de Tecnologia da Informação
(67) 9.9698-3422

 

Os comentários estão encerrados.